Harmony Clean Flat Responsive WordPress Blog Theme

Aforismos - Marcos Ribeiro

agosto 07, 2018 Marcos 0 Comments Category :




O animal homem está dividido em três categorias: o idiota, o comum e o humano. O primeiro segue a moda; o segundo, o nada; e o terceiro, a arte.

Se o Diabo não existisse, seria preciso inventá-lo. Pois, se ele não existisse, quem levaria a culpa das tiranias do Estado ou da igreja? Quem se responsabilizaria pelos crimes acometidos por essas ideias sagradas senão um sagrado às avessas? Quem, o povo impensante, acusaria quando lhe faltasse o milagre? As próprias ideias de sagrado que estão acima dele, os fantasmas de Deus ou do Estado? Não. As degradações reais tem que ser culpa de um fantasma, porque, o que não existe enquanto real, Deus, Estado, Diabo etc., não podem se defender, podem apenas atacar.

O gênio na raça humana foi   uma alucinação que a natureza teve, uma falha que ocorreu na espécie homo sapiens, que evoluiu apenas para caminhar em marcha no mundo, seja por orientações divinas; seja por ordens dos líderes para o trabalho, pela sobrevivência e para a perpetuação da espécie. Não, a genialidade não é uma dádiva, é um desvio do natural, que começa da doença da vaidade auto-divinal , que  vive como vidente do presente e termina com a desgraça de morrer imortal , e a imortalidade do indivíduo nunca esteve nos planos da natureza. Podemos concluir que foi um erro que deu certo, pois, não fossem pelas dores do parto dos gênios e suas respectivas obras, o mundo seria trabalho, consumo, guerra e morte, talvez a natureza humana nem mais existiria.

Um pássaro preso na gaiola só come o que o seu dono oferece, assim é o religioso, só aprende o que o seu líder lhe ensina: nunca aprendeu a voar.

A maior maldade do Kafka foi reduzir o inseto a um homem.

A missão do artista é transformar o seu silêncio em palavras escritas e/ou sons, e o invisível em imagens, de modo que escutemos e vejamos nossa memória que nunca vivemos.

As pessoas comuns sonham com conquistas. O artista se contenta com a conquista do seu sonho.

A luz como o amor são contraditórios, quando nos aparecem em demasia, cegam.

Acreditar em deus é acreditar na poesia. É acreditar nos poetas que escreveram seus delírios, que fizeram 3 e 2 não ser 5. Pois é essa a função da arte, destruir a lógica, enquanto a ciência a coloca de pé. Pois desde que o homem questionou o porquê do raio que atravessava o absurdo da existência, começou a refletir; criava-se então o delírio que conhecemos como imaginação, e que os religiosos conhecem como verdade.

O grande problema em relação com a cultura, não é que a maioria das pessoas não tem cultura, porque, como se diz, o que é cultura? A questão é que as pessoas são produzidas pela cultura exterior, o inconsciente é criado pela cultura fabricada da época, da moda, do espaço, e isso as impedem de enxergar a cultura delas próprias, ou, de se produzirem a si mesmas. E é isso que os grandes escritores ensinam: eles nos fazem voltar a nós mesmos, não ficamos hipotecados a eles, mas livres, e é somente isso que importa na cultura: a liberdade.

O filósofo é um profeta que enxerga não o futuro, mas o presente. Que é uma espécie de presente eterno.

Os filósofos escrevem seus dogmas à lápis.

O talento para certas áreas do pensamento (das artes, da filosofia, da poesia) é como um trem sem freios rumo ao abismo do infinito. Nesse trilho há desvios que levam a lugares menos perigosos, se o maquinista quiser, por exemplo, a literatura alegre de fácil acesso, dos deprimidos-alegres. Outro, que leva ao definhamento, com destino para a boçalidade: conheci pessoas que estiveram no abismo, que brigavam, brincavam com os demônios, mas que por algum motivo começaram a se afastar e voltar para estação Niilismo, suicidas da vida afirmativa, até se resumirem a zumbis, cheios de vida alheia.

Só quem ama o próximo como a si mesmo é o artista, porque ele produz a beleza, cria significados para a espécie humana mesmo sendo odiado pelos homens, mesmo sendo, na maioria das vezes, maldito, desprezível. E ele ama a humanidade, antes de mais nada, por amor a si mesmo, e é isso que gera o ódio dos ressentidos, dos compassivos que não o compreendem. O grego Suidas já havia traduzido essa questão quando fez as ninfas dizerem a Narciso:  "Se amares a ti próprio, por muitos será odiado."

O artista torna concreto em palavras, em sons, em imagens, os sentimentos abstratos; materializa as forças, o invisível. Traz a lume os pensamentos que os outros reprimem e expõe o inconsciente dos moralistas.

A palavra "bárbaro" originariamente do grego antigo, quer dizer "não grego", que era o mesmo que "não-civilizado". Depois, o império Romano adotou o termo para classificar aqueles que viviam fora da muralha de Roma. Hoje poderíamos adotar a mesma palavra para designar como "bárbaro" , todos aqueles que vivem fora do mundo da arte, da ciência, do amor ao conhecimento, que dá acesso à educação e ao humanismo. Fora disso resta a barbárie.

Concordo com a máxima: religião e política não se discute. É sempre perda de tempo querer impor um ponto de vista a alguém que já é determinado a defender a sua bandeira. Portanto, nunca se deve discutir religião e política, mas sim, atacá-las.

As pessoas comuns veem o mundo atrás de um véu; as inteligentes, no que há por trás do véu; e os gênios, no que está por dentro do que está atrás do véu.

As pessoas procuram os psicólogos quando querem se livrar da loucura. E buscam nos artistas  a cura da asfixia da normalidade.

Os artistas não suportam os comuns, os burocratas e os infelizes felizes.

O conhecimento traz libertação, elevação, educação, vida; via filosofia, arte, ciência, história. Por outro lado, ajuda enxergar com maior nitidez o oposto: a mediocridade, os boçais, os alienados, os “Zés Ninguém”. Isso faz daqueles que se superam serem ao mesmo tempo: nobres e malditos.


O gênio é como o vírus. Quando todos pensam que ele está erradicado, ele sofre mutações e volta espalhando uma nova peste.

Se Deus existisse, ele seria apenas o diretor desse teatro de loucos que é a humanidade.

Um ataque cardíaco, a arte e o amor, necessitam de urgência.

Quem se torna amigo do conhecimento, chegará uma hora, que só será amigo de quem é amigo do conhecimento.

Sem a arte para embelezar a vida é impossível uma vida plena. Por isso as pessoas superficiais sempre estão em busca da distração. Para ocultar a feiura que elas mesmas veriam se olhassem para si.

O antônimo de poeta é militar.

As religiões são introduzidas no inconsciente, na primeira infância, e lá ficam como um lago parado. O conhecimento destrói as barragens e transforma o pensamento num rio que vai desaguar no oceano do ateísmo, onde buscará a compreensão dos acontecimentos, não de fora, de cima, mas dos mistérios do infinito da própria alma.

Deus no seu silêncio todo dia nos fala: eu não existo. Mas as pessoas fingem não ouvir.

Quem acredita no primeiro mandamento judaico-cristão, nunca amou de verdade.

Encontramos a perfeição quando algo exterior se molda a nossa alma. A paixão, quando se molda com o nosso coração. E o amor, quando se molda com as nossas loucuras.

Só existe uma pessoa boa nesse mundo, aquela que não existe. Por isso Jesus é tão amado, porque se existisse, seria vagabundo, imprestável, chato, indiscreto e por fim, acabaria sendo crucificado.

Não nos enganemos, a vida é feia, somente a ilusão e a arte, é que a faz parecer bela.

O inferno só existe onde existe a religião.

Não existe diálogo com Deus, existe apenas o monólogo com a nossa consciência.

Se Jesus vivesse hoje, sua família o chamaria de irresponsável; a polícia, de vagabundo; e os vizinhos, de gay.

Quem acredita cegamente na palavra de Deus, na criação em seis dias, na volta de Cristo, na ressurreição, no paraíso e que não questiona, não busca e não duvida das escrituras, é abençoado com a mais rica recompensa: a ignorância.

As palavras que provaram que Deus é uma fábula, saíram da boca de uma serpente falante.

Um artista sem uma paixão é como um soldado sem um arma na guerra.

Há músicas que combinam com vinho; outras, com arsênico.

Prefiro ser sério com as mentiras da Arte, a ser um palhaço com as verdades do realismo.


Marcos Ribeiro




RELATED POSTS

0 comentários